agosto 17, 2017

Plano de Negócio


Sobre o Autor

Técnico em Contabilidade com foco em Análise Financeira, Centro de Custos, DRE, Contas a Pagar e Receber e Conciliação Bancária. Analista de Sistemas e Desenvolvimento em Deplhi Embarcadero, Planilhas Dinâmicas com Excel avançado. Entusiasta das boas práticas administrativas. (32)99909-0779 consulting@consulting.blog.br

Conceito

Plano de negócio é um planejamento com estratégias que vão te orientar a idealizar um projeto. Existem muitas formas e estruturas possíveis de se elaborar um plano de negócios. Entretanto, o documento deve oferecer ao leitor respostas objetivas sobre o negócio e sua essência.

Para que você possa elaborar seu plano de negócio é necessário ter conhecimento na sua área de atuação. Para que isto seja possível, é necessário buscar várias informações sobre sua atividade, clientes, concorrentes, fornecedores, produção, entrega, valores, custos e outras variáveis que dizem respeito à sua atividade. Uma verdadeira análise de mercado contendo informações preciosas que vão avaliar se sua idéia tem potencial ou não, e quanto há de possibilidades de se obter sucesso.

Vejamos aqui a opinião de outros especialistas sobre o Plano de Negócio:

“Um plano de negócios é um guia para o empreendedor ou empresário. Trata-se de um documento onde se descreve um negócio, se analisa a situação do mercado e se estabelecem as ações que se irão realizar no futuro, juntamente com as estratégias correspondentes para as implementar.”(Fonte: http://conceito.de/plano-de-negocios).

“Um Plano de Negócio é um documento que descreve os objetivos de um negócio e quais os passos que devem ser dados para que esses objetivos sejam alcançados, diminuindo os riscos e as incertezas para o empreendedor, empresa ou investidores.” (Fonte: http://www.rs4e.com/plano-de-negocios/).

“Um plano de negócios é como um mapa rodoviário com os caminhos que devem ser percorridos até que a empresa funcione plenamente. É a ferramenta utilizada por empreendedores, empresários, investidores, bancas avaliadoras, parceiros e possíveis fornecedores, para prever o investimento inicial e retorno esperado para um negócio em fase embrionária. É o plano de negócios que permite minimizar os efeitos de ameaças do ambiente empresarial e explorar oportunidades.”(Fonte: http://www.novonegocio.com.br/plano-de-negocios/o-que-e-um-plano-de-negocios/).

É sabido e certo que o planejamento faz parte do cotidiano de todo ser humano. Tudo que fazemos é anteriormente necessário planejar, garantindo assim que o negócio que planejamos tenha muitas chances de lograr sucesso. Vai para a praia nas férias? então estou certo que fará antes de tudo, um bom planejamento.

Sabemos também que precisaremos conhecer muito sobre o negócio que buscamos idealizar, precisamos aperfeiçoar e melhorar nosso conhecimento. Informações são a matéria-prima em um planejamento de um empreendimento, então, trataremos de pesquisar tudo sobre o negócio. Este artigo vai norteá-lo em como montar seu plano de negócio para abrir ou ampliar um negócio já existente. Esteja certo que vamos ter um bom trabalho aqui, mas o custo benefício dele pode custar a sobrevivência de seu empreendimento.

Um plano de negócio pode ser usado também para adquirir novo quadro societário, investidores, parceiros, aquisição de financiamentos, então, fazer bem feito é uma regra e somente com conhecimento você poderá elaborar seu plano de negócios e torná-lo viável.

Lembre-se que o Modelo de Negócios (leia aqui neste artigo), é um documento extremamente dinâmico. Ele busca por um dos diversos modelos que melhor se adapta ao seu negócio. Já o Plano de Negócio é um documento mais estático, Não quer dizer que ele não possa ser alterado, mas ele trata do negócio que será desenvolvido baseado no modelo que melhor se aplica a ele.

Vamos criar um plano de negócio modelo, onde você poderá utilizar para qualquer tipo de negócio, excetuando suas particularidades.

Nosso objetivo principal não é montar o seu plano de negócio e sim mostrar os pontos indispensáveis para que você possa, após a leitura, elaborar o seu plano de negócios ou ajudar um colega a elaborar o plano de negócio dele, ou ainda, aumentar sua renda prestando serviços a terceiros.

Os valores utilizados nos exemplos das tabelas são meramente ilustrativos e não tem nenhuma  relação com a realidade.

 Elaborando o documento

O Plano de negócio é um documento com diretrizes definidas para atingir um objetivo – montar um negócio. É necesário torna-lo transparente, de fácil compreensão e leitura e quanto mais detalharmos as informações, melhor o seu entendimento e resultado. Um plano de negócio deve conter minimamente os pontos abordados a seguir:

1. Sumário Executivo:

Em uma banca por exemplo, o sumário executivo é um dos primeiros tópicos a serem observados. Uma boa cota dos planos analisados sempre são reprovados por não constarem as informações corretas. Muitos empreendedores pensam que o sumário executivo tem relação com a introdução ou uma justificativa do projeto. Na verdade, o sumário executivo tem relação com a descrição resumida e objetiva do Plano de Negócio . Por isto deve ser um resumo enfatizando os principais pontos e características do projeto.

As informações são apresentadas nos diversos tópicos que dividem o sumário executivo. Estas informações são indispensáveis para o conhecimento da empresa e do projeto – Plano de Negócio.

1.1. Sobre o negócio: Relate aqui sobre as atividades, o histórico da empresa, os processos, as políticas e logísticas da empresa, instituições de crédito e informações que você considerar relevante sobre a empresa, tudo de maneira bem detalhada.

1.2. Resumo dos Principais pontos do projeto: Você deve relatar aqui  os principais pontos do projeto e suas características. Destaque também os benefícios e vantagens que justificam executar o plano de negócios. Para facilitar a compreensão de quem analisa o projeto, procure tratar estas informações com objetividade. Determine a lucratividade, rentabilidade, tempo de retorno e ponto de equilibrio.

1.3. Quais os principais produtos e/ou serviços: Determine aqui seu mix de produtos com os principais produtos e/ou serviços produzidos e/ou comercializados, os benefícios que serão agregados com a execução do projeto, capacidade produtiva antes e após a execução do plano e quais os novos produtos contemplados no projeto. Se necessário, sinteze seu processo de produção dos principais produtos.

1.4. Quem são seus principais clientes: Descreva aqui quais são os seus principais clientes em potencial. Aponte também a expectativa de novos clientes com a execução do plano de negócio.

1.5. Localização da empresa: Descreva aqui a localização da empresa, principais referencias, distâncias de outras cidades em potencial e outras informações que você considerar relevantes.

1.6. Montante do capital a ser investido: Descreva aqui o capital necessário para o investimento e execução do plano de negócios.

1.7. Expectativa de Faturamento Mensal: Determine aqui a expectativa de faturamento mensal com a execução do plano. Apresente gráficos que apontam o cenário atual e o novo cenário.

1.8. Lucro Esperado: Determine a expectativa de lucro com a execução do projeto, apresentando as projeções.

1.9. Tempo de retorno de capital:  Apresente aqui a expectativa de tempo de espera recuperar o capital investido.

1.10. Dados do Empreendedor, Experiência Profissioal e  atribuições:

1.10.1. Nome: Nome completo do empreendedor.

1.10.2. Endereço: Endereço completo do empreendedor.

1.10.3. Cidade: Cidade de domicilio do empreendedor.

1.10.4. UF: Unidade Federativa do empreededor

1.10.5. Perfil:  Neste campo mostrar o perfil profissional do empreendedor e pricipais características.

1.10.6. Atribuições: Neste  campo descrever as atribuições do empreendedor na empresa.

1.11. Dados do Empreendimento

1.11.1. Razão Social da Empresa: Nome de registro da empresa no contrato social.

1.11.2. CNPJ: Número do cadastro nacional de pessoa jurídica da empresa.

1.11.3. Missão da Empresa: Descrever aqui a missão da empresa que está definida em seu planejamento estratégico.

1.11.4. Setores de Atividades da Empresa: Definir aqui qual o setor de atividade que a empresa pertence, podendo ser, agropecuária, indústria, comércio e serviços.

1.11.5.  Forma Jurídica: Definir aqui a forma jurídica do empreendedor, podendo ser microempreendedor individual – MEI, empresário individual, empresa individual de sociedade limitada – EIRELI, sociedade limitada ou outro.

1.11.6. Enquadramento Tributário: Definir o enquadramento tributário, se optante pelo simples ou não e os impostos  a que estão sujeitos o recolhimento, no âmbito federal, estadual e municipal.

1.11.7. Capital Social: Definir o capital social integralizado na empresa, incluindo máquinas, equipamentos ou qualquer outro bem que tenha sido integralizado como capital social, agrupados por sócios.

1.11.8. Fonte de Recursos: Definir as origens dos recursos para execução do projeto.


2. Análise de Mercado

2.1. Estudo dos Clientes: Os clientes são a razão da existência de qualquer negócio. Eles buscam produtos e soluções para seus problemas.

2.1.1. Tipo de Público: Pessoa física, jurídica, órgãos governamentais ou outros.

2.1.2. Público-Alvo: Identifique as características de seu público que os levam a buscarem seus produtos ou serviços, gênero, faixa salarial,  escolaridade, endereço, faixa-etária; se oferecem produtos ou serviços, se possuem colaboradores, capacidade de pagamento.

2.1.3. Motivação, Interesse e Comportamento: Identifique qual o interesse, o comportamentos e motivações levam os clientes a consumirem seus produtos e serviços e com que frequência isso ocorre.

2.1.4. Abrangência: Identifique qual a área de abrangência e localização são encontrados seus clientes.


2.2. Estudo dos concorrentes:

Este é um dos estudos mais importantes do plano de negócio, afinal, você vai entrar em um mercado já competivo, com seus concorrentes em atividade há anos. Este é o momento de você conhecer seus concorrentes e se destacar diferenciando-se deles. É a sua inovação que vai te difereciar deles. Para que você faça o que nenhum deles fez, você terá que literalmente conhecer tudo que eles já fazem. É o momento de você agregar valor ao seu negócio. Seu negócio vai formar sua personalidade única, partindo do momento que você conhecer  seu mercado e seus concorrentes. Vamos enumerar os principais pontos e características no que se refere aos seus concorrentes.

2.2.1. Qualidade dos produtos e serviços oferecidos: Você deve conhecer todos os processos e materiais utilizados, sustentabilidade, responsabilidade social, certificados ambientais e outras informações importantes e pertinentes de todos os seus concorrentes.

2.2.2. Preço de venda: Valor cobrado para a entrega dos produtos ou serviços no local combinado, considerando o pagamento de todas as despesas, impostos e custos operacionais.

2.2.3. Localização: Localização geográfica do negócio.

2.2.4. Condições de Pagamento: Condicões de pagamento, descontos praticados, prazos e políticas de venda disponiveis em seus concorrentes.

2.2.5. Atendimento: Qualidade, eficiência, eficácia  e tempo de espera no atendimento

2.2.6. Serviços a Clientes: Horário de funcionamento, serviço de entrega e delivery, atendimento eletrônico, internet e outros confortos aos clientes.

2.2.7. Garantias: Serviços de garantia ou seguros.


2.3. Estudo de Fornecedores: Conceito de forncedor – É toda pessoa física ou jurídica que fornecem vendas de bens e serviços e matérias-primas que compoem a produção e entrega de seus produtos ou serviços.

2.3.1. Nome do Fornecedor: Razão Social de seu fornecedor.

2.3.2. Item a ser analisado: Descreva aqui detalhadamento o item a ser analisado com o seu potencial fornecedor.

2.3.3. Preço: Valor do bem ou serviço.

2.3.4. Condições de Pagamento: As formas de pagamentos disponíveis pelos fornecedores.

2.3.5. Prazo de Entrega: Prazo de entrega do produto no pátio de sua empresa.

2.3.6. Cidade/UF: Localização geográfica de seu fornecedor.


3. Plano de Marketing:

Marketing é uma estratégia para otimizar lucros por meio da integração das atividades de produção e oferta às necessidades das demandas. Plano de marketing é um planejamento de ações para atingir um objetivo de marketing. Descreva aqui tudo o que você pensa em fazer relacionado a marketing.

3.1. Principais Produtos e serviços: Aqui você deve descrever os principais produtos que serão fabricados e comercializados ou os serviços que serão prestados. Explique sobre os processos de produtos, o controle de qualidade, o PCP, as linhas de produtos e informações detalhadas como tamanho, modelo, cor, embalagem, apresentação, rótulo, imagens. Para empresas de serviço, informe quais serviços serão prestados, suas características e as garantias oferecidas.

3.2. Preço: O valor que o cliente está disposto a pagar pelo produto e serviços. Deve-se lembrar que no preço deve estar incluso os custos e despesas obrigatórias, além do lucro desejado. Existem diversos modelos de políticas de preços, porém, as mais adotadascomumente são o markup (leia sobre o tema aqui neste artigo) e aquelas baseadas em centro de custos (leia mais sobre o assunto aqui neste artigo).

3.3. Estratégias Promocionais: Descreva aqui as principais estratégias promocionais e de interatividade com o cliente. O seu objetivo é mostrar ao cliente, através de midias e meios de comunicação,  porque comprar seus produtos e serviços, os benefícios         e comodidades que ele trá à sua disposição ao adquirir seus produtos. Vale tudo, propagandas em revistas, jornais, redes sociais,           sites, marketing de internet e digital e até mesmo a distribuição de panfletos em semáforos.

3.4. Estrutura de Comercialização: Representa seus canais de distribuição dos produtos e/ou serviços, como representantescomerciais, filiais, pontos de vendas, e-commerce, facebook, whatsapp, enfim, todo ponto gerador de receitas que você pretende adotar.

3.5. Localização do Negócio: Localize as instalações de seu negócio, aponte o pontos positivos e negativos em pontecial. Delimite sa cidades em potecial atendimento e outras informações relevantes.


4. Plano Operacional:

É o planejamento com objetivos estabelecidos para serem cumpridos. Adicione diagramas, projeto civil, elétrico, hidráulico, laudos técnicos, cronograma e todas as informações necessárias para a operacionalização do projeto, incluindo localização de Máquinas, equipamentos, balcões, prateleiras, mesas, etc.

3.7. Capacidade Produtiva, Comercial e de Serviços: Faça estudos comparativos da capacidade produtiva, comercial e de serviços atuais e a projeção de aumento das mesmas após a execução do plano de negócio, a maximização do tempo e minimização dos custos.

3.8. Processos Operacionais:  Este é um momento delicado. Aqui você definirá toda a logisticiade funcionamento do negócio, desde o momento da cotação dos produtos até o armazenamento da matéria-prima. Desde a venda,  a requisição no estoque para a produção até a expedição, controle do frete, emissão da nota fiscal até o recebimento da venda. Desde uma seleção de contratação até a demissão  do colaborador. Como pode ver, isso inclui fluxo de documentos, fluxo de dados, arquivamento, fluxo de pessoas, fluxo de produção e controle de qualidade e por aí vai. Por tudo isto é considerado delicado, pois, a logistica de funcionamento está neste contexto.

3.9. Necessidade de Pessoal: Com toda informação colhida até aqui é possível verificar que vai precisar de um quadro de pessoal capaz de abosrver todo o trabalho disponível no negócio. Faça um levantamento consistente da quantidade de mão-de-obra necessária, coletando a quantidade para cada função e cargo, os salários, agrupado por cargos e funções dentro dos departamentos e setores, assim você já saberá a necessidade de mão-de-obra qualificada e não qualificada.


5. Planejamento Financeiro:

Todo o planejamento financeiro do plano de negócios deve estar contigo neste item. Considere que você fará uma estimativa de investimentos fixos, incluindo, imóveis, máquinas, equipamentos, móveis e utensilhos, veículos e computadores. Deverá também buscar por investidores, financeiras, bancos ou alguma forma de conseguir um financiamento para viabilizar seu negócio. Terá também  calcular o capital de giro, estimativa de estoque inicial, caixa mínimo, calcular o prazo médio nas vendas, nas compras e no armazenamento e o cálculo do capital de giro.

5.1 Estimativa de Investimentos Fixos: Detalhadamente, é preciso definir os investimentos fixos.  Eles são todos os bens a serem comprados para a abertura da empresa. Faça um quadro e liste as máquinas, os equipamentos, os móveis, os utensílios, as ferramentas e os veículos. Especifique o valor, a quantidade e o total que você terá que ter para investir neles.

5.2. Capital de Giro: O capital de giro representa os recursos necessários para o funcionamento da empresa, considerando matéria prima, mercadorias, financiamentos das vendas e pagamento de qualquer outra despesa referente ao negócios. Para calcular o capital de giro, você deverá acompanhar todos os passos seguintes.  Ao término da apresentação dos cálculos retomamos o cálculo do capital de giro.

5.2.1. Estimativa do Estoque Inicial: Seu estoque inicial é composto de toda matéria-prima, produtos e materiais necessários para a fabricação e/ou comercialização dos produtos e/ou serviços. Faça um balanço de seu estoque para obter o valor de seu estoque inicial. identifique quais materiais ou mercadorias devem ser comprados, as quantidades necessárias, seu preço unitário e o total a ser gasto. Considere sua capacidade de produção, a demanda e o potencial de vendas da empresa.

5.2.2. Caixa Mínimo: O caixa mínimo representa o capital necessário para movimentar seu negócio. Por exemplo, até que você comece a vender, alguem tem que estar pagando as despesas fixas da empresa. Para que você consiga calcular o caixa mínimo são necessários os cálculos dos prazo médio nas vendas, compras e armazenamento (estoque). Então vamos acompanhar os passos e retomaremos os cálculos do caixa mínimo ao final.

5.2.2.1. Cálculo do prazo médio nas vendas, compras e armazenamento (estoque): Outro tópico importante incidente no cálculo do capital de giro são os prazos médios de vendas, compras e armazenamento. Isso porque nem toda compra e venda podem ser feitas a vista. Para que possamos financiar nossos clientes, precisamos buscar fornecedores que nos financiem, caso contrário, nosso capital ficará todo somente para financiar vendas, invibializando o negócio. Estas informações são as mais difíceis de se levantar, afinal, se o seu negócio ainda não está funcionando, você ainda não tem estes dados. Neste caso, você tem as informações que foram colhidas de seus concorrentes no início da elaboração do plano de negócios (item 3 – Estudo de concorrentes), lembra? Então, mãos a obra, vamos trabalhar com uma média dos prazos de seus concorrentes. Agora, vamos ver como é feito o cálculo e definir estes prazos.

5.2.2.2. Cálculo do prazo médio nas vendas: Ao longo do período mensal em exercício, efetuamos vendas dentro das formas de pagamento definidas pela diretoria ou conforme o plano estratégico da empresa. Hipoteticamente,vamos imaginar que nosso faturamento mensal foi de R$ 74.330,00, divididos conforme nossa política de vendas. Logo:


Venda a vista:                  R$ 18.000,00

A prazo com 35 dias:    R$ 31.480,00

A prazo com 65 dias:   R$ 21.300,00

A prazo com 95 dias:      R$ 3.550,00


No quadro acima é possível observar que em média, você levará 37,99 dias para receber suas vendas. Cabe o acompanhamento mensal e intervir no prazos quando necessário.

5.2.2.3. Cálculo do prazo médio nas comprasO propósito é o mesmo do cálculo do prazo médio nas vendas e segue a mesma lógica, entretanto, devemos calcular o prazo médio obtido pelos fornecedores para o pagamento de nossas compras.

No quadro acima é possível observar que em média, você levará 16,34 dias para seus fornecedores. Cabe o acompanhamento mensal e intervir no prazos quando necessário.

5.2.2.4. Cálculo do prazo médio no armazenamento (estoque): O prazo médio no armazenamento (estoque) é o tempo em que os produtos e matéria-prima ficam disponíveis nos estoques da empresa até serem requisitados para a produção ou vendas, dentro do intervalo entre o pedido ao fornecedor até a requisição para a produção ou venda. Quanto maior este tempo, maior o capital de giro disponível .

5.2.2.5. Cálculo do capital de giro em dias:  Constitui a diferença entre os recursos provenientes de suas vendas a prazo não recebidas (prazo médio nas vendas) somados ao estoque e os recursos que se encontram em seu caixa e entretanto, pertencem a seus fornecedores (prazo médio nas compras) e não a nosso caixa. Quando positivo, o indicativo é de que o caixa ficará descoberto aquele número de dias e quando negativo pode significar que os recursos advindos de suas vendas entram no caixa antes do vencimento.

Observa-se que conforme nosso quadro vamos precisar de capital de giro para 17,99 dias. Este montante do capital de giro é o valor que vamos precisar para cobrir os compromissos com clientes, despesas, gastos e financiamento de nossos clientes.

Finalmente, agora podemos vamos retornar ao cálculo do nosso caixa mínimo.

5.2.2. Caixa Mínimo: O caixa mínimo representa o capital necessário para movimentar seu negócio. Por exemplo, até que você comece a vender e comece a entrar recursos, alguém tem que pagar as despesas fixas da empresa e outras despesas da empresa. Para que você consiga calcular o caixa mínimo são necessários os cálculos dos prazo médio nas vendas, compras e armazenamento (estoque). Como já procedemos todos os cálculos, vamos ao caixa mínimo.

5.2. Capital de Giro: O capital de giro representa os recursos necessários para o funcionamento da empresa, considerando matéria prima, mercadorias, financiamentos das vendas e pagamento de qualquer outra despesa referente ao negócios. Ao terminarmos os cálculos, agora podemos retormar o cálculo do capital de giro.

5.3. Investimentos pré-operacionais: Os investimentos pré-operacionais são os gastos e despesas feitos antes da empresa iniciar suas atividades, ou seja, as reformas, algumas taxas referentes à empresa para registrá-la, treinamento de pessoal e divulgação.

5.4. Investimentos total (resumo): Os investimentos pré-operacionais são os gastos e despesas feitos antes da empresa iniciar suas atividades, ou seja, as reformas, algumas taxas referentes à empresa para registrá-la, treinamento de pessoal e divulgação.

5.5. Estimativa de Faturamento Mensal: O método mais fácil a fazer para quem ainda não abriu uma empresa é multiplicar a quantidade de produtos disponíveis a serem oferecidos aos clientes pelos respectivos preços de venda. Quanto ao preço de venda é necessário ainda observar o preço oferecido no mercado. Contudo, não se deve esquecer que o preço de venda deve contemplar todas as suas despesas fixas, variáveis e custos. (Você pode conhecer sobre estas despesas lendo este artigo). É muito importante que se desenvolva uma política de vendasna empresa, entretando, você pode usar como referência o Markup. (Você poder ler sobre o assunto aqui neste artigo).

5.6. Estimativa de Custo da Matéria-Prima e Materiais: A estimativa de custo com matéria-prima e materiais é o custo de fornecedor para a aquisição do estoque, podendo ser acrescentado também o custo embalagem. Apresente uma planilha com o custo unitário de cada produto que será vendido ao cliente.

5.7. Estimativa de Custos de comercialização:  São os custos  de comercialização que são agregados ao custo da matéria-prima e/ou mercadoria. São custos com impostos, comissões, fretes e outros custos que ocasionalmente venham incidir sobre as vendas. Nesta etapa, o melhor que tem a fazer e conversar com seu contador e consultar qual tributação se enquadra sua empresa.

Voce pode saber algo mais sobre:

Simples ICMSISSIRPJPIS – COFINSCSLL

5.8. Custo da Mercadoria Vendida: O custo da mercadoria vendida representa o valor registrado em estoque do custo da peça ou das peças que compoem a mercadoria vendida, mão-de-obra, embalagens e outros gastos que fizerem parte da venda da mercadoria. Conforme sua estimativa de faturamento mensal, determine o seu custo de mercadoria vendida. Escrrevemos mais sobre o assunto neste artigo.

5.9. Custo mão-de-obra: O custo da mercadoria vendida representa o valor registrado em estoque do custo da peça ou das peças que compoem a mercadoria vendida, mão-de-obra, embalagens e outros gastos que fizerem parte da venda da mercadoria. Conforme sua estimativa de faturamento mensal, determine o seu custo de mercadoria vendida. Saiba mais sobre encargos sociais aqui.

5.10. Estimativa com Depreciação: Depreciação de Máquinas, Equipamentos e Edificações é um tema que deve ser tratado como política em qualquer empreendimento, dado que, é a depreciação que fornece atributos sobre a vida útil de seus equipamentos e edificações.

Depreciação de Máquinas, Equipamentos e Edificações é um tema que deve ser tratado como política em qualquer empreendimento, dado que, é a depreciação que fornece atributos sobre a vida útil de seus equipamentos e edificações.

Para simplificar o conceito de depreciação de máquinas, equipamentos e edificações, vamos imaginar o cenário abaixo:

Imagine uma empresa que tem como atividade fim, a prestação de serviços de fotocópias de documentos. Entretanto, devemos imaginar também, que seu principal equipamento de produção são consequentemente, as maquinas de xerox, impressoras e equipamentos de Scanner. 

Imagine agora, que em um determinado momento, você percebe que seus equipamentos estão no fim de sua vida útil. Você tem que obrigatoriamente trocar os equipamentos e se não o fizer, sua empresa pára, porque estas máquinas e equipamentos geram a receita de sua empresa.

Este é momento em que você se arrepende de não ter adotado uma política de depreciação em sua empresa. Você não fez isso e portanto, não criou uma conta que supostamente deveria estar guardando o dinheiro para este fatídico momento. O cenário apresentado acima, poderia ter sido evitado se o empreendedor não tivesse negligenciado o tema.

taxa de depreciação mensal representa o valor “financeiro” que deve ser retido para que, no futuro, ao fim da vida útil do equipamento, o empreendedor possa substitui-lo sem ter que causar algum impacto na vida financeira de seu empreendimento, isto porque, quanto mais depreciado o equipamento, menos imposto é pago sobre ele, permitindo assim, acumular receita para que ele possa ser substituído. Como ilustração, podemos citar o IPVA, que a cada ano diminui em função da perda de valor do veículo. Saiba mais neste artigo sobre o tema que escrevi sobre o tema.

5.11. Estimativa de custos fixos: As despesas fixas independem da venda ou produção de qualquer produto. Estas despesas tem relação com a existência da empresa. Basta um registro na Junta Comercial e um CNPJ para que estas despesas apareçam em um determinado período. São despesas como aluguel, telefone, energia, salários, água, esgoto, contabilidade e etc. Escrevemos mais sobre o tema aqui neste artigo.

5.12. Demonstrativo de Resultado: A correta elaboração e interpretação do Demonstrativo do Resultado do Exercício é uma ação decisiva no que tange a vida financeira das empresas. É através do Demonstrativo do Resultado do Exercício que diagnosticamos problemas na saúde financeira da empresa e prescrevemos os remédios para intervenção nos problemas, quando necessário.

Entendo em conformidade com vários especialistas: O Demonstrativo do Resultado do Exercício não deve ser apenas um relatório contábil, ele deve ser principalmente um documento gerencial, tão importante ou mais que o contábil. A DRE nos permite fazer a leitura financeira de forma eficiente e rápida, fazendo as intervenções necessárias para a manutenção da sustentabilidade. Escrevemos mais sobre o assunto neste artigo.

5.13. Indicadores: É através destes indicadores que você fará as intervenções necessárias para a melhoria nos resultados, programará seus investimentos com o intuito de beneficiar seus clientes e melhorar sua interatividade com o publico interno e externo.

Vamos agora entender os indicadores para que a interpretação do DRE – Demonstrativo do Resultado do Exercício seja efetuada de maneira eficiente.

(=) RECEITA BRUTA – A receita bruta determina o total da receita no mês sem o desconto dos impostos devidos.

(-) IMPOSTOS – Refere-se aos impostos devidos no mês que deverão ser descontados da receita bruta.

(=) RECEITA LIQUIDA – Da receita líquida, será abatido ainda as demais despesas para que se possa apurar se o resultado do período foi positivo ou negativo, ou seja, se sua empresa obteve lucro ou prejuízo.

(-) CMV – O custo da mercadoria vendida é o somatório dos itens que compuseram o custo de fabricação do produto ora vendido, independente destes itens terem sido adquiridos em meses anteriores. Este valor não tem nenhuma relação com as notas fiscais de entrada.

(-) COMISSÕES – As despesas com comissões são efetivamente os valores pagos aos vendedores a título de comissão dentro da competência.

(-) DESPESAS ADMINISTRATIVAS – As despesas administrativas tem relação com as despesas fixas na planilha. São as contas mensais que o empresário tem que arcar.

(-) DESPESAS COM INSTALAÇÕES – São despesas relacionadas com instalações, ou seja, manutenção elétrica, mecânica, limpeza etc.

(-) DESPESAS OPERACIONAIS – São despesas referentes à logística de entrega, incluindo seguros, correios, licenciamento de veículos e taxas de consultas de cheques.

(-) DESPESAS COM PUBLICIDADE – Como o próprio nome diz, são despesas relacionadas a propaganda e marketing.

(-) DESPESAS COM PESSOAL – São despesas geradas em função dos colaboradores como, folha de pagamento, FGTS, INSS, vale transporte e sindicatos.

(-) DEPRECIAÇÃO – Despesas relacionadas às depreciações de máquinas, equipamentos, mobiliário e edificações.

(=) LUCRO OU PREJUÍZO – É o resultado do período. Este indicador é o primeiro a demonstrar se há alguma coisa errada na empresa. Preço de venda, despesas acima das receitas, funil de vendas, enfim, é necessário uma análise profunda para identificar onde está o problema. A fórmula de apuração deste indicador é RECEITA LIQUIDA – (CMV + COMISSÕES + DESPESAS  ADMINISTRATIVAS + DESPESAS COM INSTALAÇOES + DESPESAS OPERACIONAIS + DESPESAS COM PUBLICIDADE + DESPESAS COM PESSOAL + DESPESAS COM DEPRECIAÇÃO)

QUANTIDADE DE PRODUTOS VENDIDOS – É somatório do total das vendas de produtos no período, ou seja, o CMV.

PONTO DE EQUILÍBRIO – É o valor mínimo que a empresa deve vender para pagar as despesas e não obter lucro e nem prejuízo. A fórmula de apuração deste indicador é ((DESPESAS ADMINISTRATIVAS + DESPESAS COM INSTALAÇÕES + DESPESAS OPERACIONAIS + DESPESAS COM PUBLICIDADE + DESPESAS COM PESSOAL + DEPRECIAÇÃO ) / MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO) * (RECEITA BRUTA / QUANTIDADE DE PRODUTOS VENDIDOS ou CMV).

INVESTIMENTO TOTAL – Os investimentos pré-operacionais são os gastos e despesas feitos antes da empresa iniciar suas atividades, ou seja, as reformas, algumas taxas referentes à empresa para registrá-la, treinamento de pessoal e divulgação.

RENTABILIDADE – Este indicador mede o retorno de capital investido demonstrando o potencial dos negócios. É calculado dividindo-se o lucro líquido pelo total do investimento. O resultado é sua rentabilidade em porcentagem ao ano/mês.

PRAZO DE RETORNO DE CAPITAL – Dividindo-se o Total do Investimento pelo lucro líquido você obtém o tempo necessário para a recuperação do capital investido. O resultado é em anos/meses, sendo também uma informação muito importante sobre o potencial do negócio.

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO – É a quantia em dinheiro que sobra da receita obtida da venda de um produto. A fórmula de apuração deste indicador é ( RECEITA BRUTA – CMV – IMPOSTOS – COMISSÕES ) / MATERIA PRIMA.

MARGEM DE LUCRO/LUCRATIVIDADE – É a percentual adicionado ao custo total de um produto, formando o preço de venda, ou seja, é a porcentagem de lucro que a empresa terá encima das vendas. A fórmula para a apuração deste indicador é (LUCRO / RECEITA BRUTA).

MARKUP DIVISOR – É o índice aplicado sobre o custo do produto para a formação do preço de venda. Neste índice já estão incluídos as despesas fixas, as despesas variáveis e o lucro. Uma vez determinado o mark-up divisor, basta pegar o custo total do produto e dividir pelo índice. A fórmula  de  apuração  deste  indicador é 1-(DESPESAS FIXAS + DESPESAS VARIÁVEIS + LUCRO).

Além destas informações, esta planilha pode te oferecer resultados em qualquer moeda de qualquer pais. Na segunda aba da planilha, temos a mesmas informações, porém, o resultado será de acordo com a moeda que você escolher.

Para isto, basta você digitar no campo específico a cotação da moeda no dia que a conversão é feita automaticamente, ou se preferir, defina a cotação antes dos lançamentos e a conversão é feita em tempo real.

Esta funcionalidade é utilizada por empreendedores com uma visão estratégica mais acentuada, ou ainda, por empreendedores que comercializam produtos importados. Escrevemos mais sobre o assunto neste artigo.

 

6. Construção de Cenários: Este tópico destina-se aos seus ensaios e simulações dos possíveis cenários que você possa enfrentar.  Faça vários ensaios, simule os cenários para que você possa também criar planos de ações com estratégias ou outros planos de intervenção e prevenção para cada cenário que você criar. Isso vai ajuda-lo a decidir rápido nos contra-tempos do mercado.

7. Avaliação Estratégia: 

7.1. Análise da Matriz F.O.F.A.: A análise SOWT é baseada na constância entre o ambiente interno e externo. No ambiente interno, trabalha-se as forças e fraquezas, pois, os fatores que os compoem nos colocam em vantagem ou desvantagem com o mercado.  No ambiente externo, trabalha-se as oportunidades e ameaças, fatores pré-existentes onde nenhuma ação nossa terá influência para modifica-la. É necessário apontar elementos que ajudam as forças e oportunidades e que atrapalham as ameaças e fraquezas.

8. Avaliação do Plano de Negócio: Faça uma avalição do o seu ponto de vista sobre o plano de negócios. Analise se o documento traz respostas às suas perguntas relacionadas ao negócio, o modelo, a oportunidade, a visão, o mercado alvo, analise concorrentes e fornecedores, equipe, estrutura, processos, enfim, observe cada detalhe e faça suas observações.  O Plano de Negócio é um poderoso instrumento de planejamento e deve ser consultado e acompanhado em todos os seus processos.

Você deve buscar nele a resposta para sua principal pergunta: Sua ideia de negócio tem potencial de obter sucesso?

Em caso positivo, você deve se lembrar sempre que o mercado é extremamente dinâmico, o cenário sempre sofre interferências externas e cabe a você superar as ameaças, obter forças com as fraquezas e aproveitar as oportunidades. A ação de empreender sempre estará acompanhada do risco, entretanto, o risco deve ser sempre calculado com o planejamento. Isto vai evitar o desperdício de recursos.

 


The following two tabs change content below.
Analista e Desenvolvedor de sistemas sob demanda. Aplicações ERP (Enterprise Resource Planning) em camadas e conexão via internet. Desenvolvimento de sites e e-commerce. Entusiasta e focado nas boas práticas da administração, escreve artigos na internet e desenvolve trabalhos de consultoria nas área de custos por absorção, plano de negócios, planejamento estratégico, plano de ação, demonstrativo do resultado do exercício, petições de requerimento de patentes, gestão de finanças, pessoas e rotinas administrativas em geral. Firmamos parcerias com empreendedores que desejam alavancar suas vendas e seu negócio através da divulgação e vendas de seus produtos em nosso e-commerce. Também desenvolve trabalhos na área de Marketing Digital, implementando estratégias de marketing mix (produto, preço, praça e promoção) e estuda as principais tendências e seus impactos nas decisões de negócios, utilizando os fundamentos de marketing de forma integrada.

Latest posts by Rogério Teixeira Martins (see all)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *